Terça-feira, Janeiro 25

Técnicos da Saúde emitem nota em defesa da vacinação de crianças

Os membros da Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19 (Ctai-Covid), ligada ao Ministério da Saúde, emitiram, por unanimidade, um parecer favorável ao uso da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos. Na análise, os técnicos destacaram a importância da proteção desta faixa etária, que registrou 6.163 casos e 301 mortes por Covid-19 desde o início da pandemia.
O documento serve para nortear a decisão do Ministério da Saúde na inclusão ou não desse público no Programa Nacional de Imunização (PNI) e vem após a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovar o uso do imunizante da Pfizer a partir dos 5 anos de idade. De acordo com a nota divulgada pelo grupo, a decisão tomou como base os dados epidemiológicos nacionais e internacionais sobre o impacto da Covid-19 nas diferentes faixas etárias.
Foi considerado “o risco de infecção, transmissão, e agravamento (hospitalização e morte); dados de ensaios clínicos, sobre imunogenicidade, reatogenicidade, segurança e eficácia das vacinas de diferentes fabricantes na população pediátrica em distintos países do mundo, além de informações sobre a segurança desses imunizantes em larga escala”, detalham os técnicos.
Os técnicos pressionam o governo para que inclua, com urgência, a vacinação em crianças no plano de imunicação, destacando, ainda, a chegada da variante ômicron, que pode expor crianças ao maior risco de infecção. “Neste contexto epidemiológico, torna-se oportuno e urgente ampliarmos o benefício da vacinação a este grupo etário”, diz o parecer.
Para reforçar a defesa, a Ctai cita que a Pfizer já é usada neste público em países como Canadá, Estados Unidos, Israel e na União Europeia. “Até o momento, os dados disponibilizados apontam para a manutenção da avaliação favorável à vacinação dessas crianças”, afirma, completando que avaliações preliminares realizadas nos EUA demonstram que as reações adversas estão em níveis adequados.
“Houve apenas 8 casos de miocardite em mais de 7 milhões de doses administradas (2 casos após a primeira dose e 6 casos após a segunda dose), todos eles classificados como de evolução clínica favorável”, menciona a nota. “Ou seja, os benefícios são muito maiores do que os riscos, pilar central de avaliação de qualquer vacina incorporada pelos diversos programas de vacinação, seja no Brasil ou no mundo.”
A nota ainda demonstra aptidão à vacinação em crianças e adolescentes com a Coronavac, mencionando que “outros países da Ásia, África, e América do Sul têm utilizado vacinas de vírus inativado em milhões de crianças menores de 12 anos, a partir de 3 ou 5 anos”. Na quarta-feira (15), o Instituto Butantan entrou com novo pedido de aplicação neste público junto à Anvisa e aguarda a análise da reguladora.
Fonte- Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *