Terça-feira, Janeiro 25

Variante Ômicron representa risco global “muito alto”, diz OMS

A variante do coronavírus Ômicron provavelmente se espalhará internacionalmente e representa um risco “muito alto” de surtos de casos que podem ter “consequências graves” em alguns lugares, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira (29).

Nenhuma morte relacionada à Ômicron foi relatada, embora mais pesquisas sejam necessárias para avaliar seu potencial de escapar da proteção induzida por vacinas e infecções anteriores, acrescentou.

Em antecipação ao aumento do número de casos à medida que a variante, relatada pela primeira vez na semana passada, se espalha, a agência da ONU instou seus 194 estados membros a acelerar a vacinação de grupos de risco e garantir que os planos estejam em vigor para manter os serviços de saúde.

“A Ômicron tem um número sem precedentes de mutações na proteína spike do vírus, algumas das quais são preocupantes por seu potencial impacto na trajetória da pandemia”, disse a OMS.

“O risco global geral relacionado à nova variante […] é avaliado como muito alto.”

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, fez o alerta no início de uma assembleia de ministros da saúde que deve iniciar negociações sobre um acordo internacional para prevenir futuras pandemias.

“O surgimento da altamente mutada variante Ômicron reforça quão perigosa e precária a nossa situação é”, disse Tedros. “A Ômicron demonstra exatamente por que o mundo precisa de um novo acordo sobre pandemias: nosso sistema atual desincentiva os países de alertar os outros sobre ameaças que inevitavelmente pousarão em suas costas.”

O novo acordo global, previsto para maio de 2024, cobrirá questões como o compartilhamento de dados e sequências do genoma de vírus emergentes e de quaisquer vacinas potenciais derivadas de pesquisas.

Exigências de superação

A Ômicron foi relatada pela primeira vez em 24 de novembro na África do Sul, onde as infecções aumentaram vertiginosamente.

Desde então, ela se espalhou para mais de uma dúzia de países, muitos dos quais impuseram restrições de viagem para tentar se isolar. O Japão, nesta segunda-feira, juntou-se a Israel ao dizer que fecharia suas fronteiras para estrangeiros.

A OMS reiterou que, no aguardo de mais orientações, os países devem usar uma “abordagem baseada no risco para ajustar as medidas de viagens internacionais em tempo hábil”, embora reconhecendo que um aumento nos casos de coronavírus pode levar à taxas mais altas de mortalidade e infecções.

“O impacto sobre as populações vulneráveis ​​seria substancial, particularmente em países com baixa cobertura de vacinação”, acrescentou.

Em pessoas vacinadas, entretanto, “casos e infecções por Covid-19 são esperados […] embora em uma proporção pequena e previsível”.

No geral, havia “incertezas consideráveis ​​na magnitude do potencial de escape imunológico da Ômicron”, e mais dados são esperados nas próximas semanas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *