Sábado, Fevereiro 27

RS atingiu a marca de mil pacientes com coronavírus internados em UTIs

Foto ilustrativa. Olga Kononenko, Unsplash.

Este é o número mais alto desde o início da pandemia. “O sistema vai chegar ao estresse máximo em duas ou três semanas”, avalia diretor de regulação da Secretaria da Saúde do RS

Em entrevista ao Gaúcha Atualidade, Eduardo Elsade, diretor de regulação da Secretaria Estadual de Saúde (SES), falou sobre a piora da pandemia no Rio Grande do Sul e a possibilidade de o sistema do Estado chegar ao “estresse máximo” nas próximas semanas.

Nesta sexta-feira (19), o Estado atingiu a marca de mil pacientes com coronavírus internados em tratamento intensivo (UTIs) — o número mais alto desde o início da pandemia. O setor de regulação da SES é responsável pela distribuição de pacientes onde há leitos disponíveis no RS.

— A gente está vivenciando aparentemente o pior momento da pandemia. Tem sido muito difícil a previsão em torno dos eventos. Essa onda está vitaminada pela entrada das novas variantes, que estão se tornando dominantes, contaminando em vários Estados. Temos Estados numa situação de pico mais alto. Aparentemente, a velocidade de transmissão dessas variantes é maior. Estamos em momento de alerta, e novas medidas em relação à estrutura, ao comportamento e ao distanciamento devem ser tomadas nos próximos dias — afirmou.

De todos os leitos de UTI que o RS tem, 82,3% estão ocupados devido à covid-19 e por outros motivos. Dessas vagas ocupadas, 45,2% são ocupadas por pacientes diagnosticados com coronavírus. O aumento obrigou hospitais de referência a cancelarem cirurgias eletivas, como no caso do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA).

— O Rio Grande do Sul tem capacidade de expansão ainda de atendimento das redes, mas com essa nova velocidade que as novas variantes vem imprimindo, a gente acha que o sistema vai chegar ao seu estresse máximo nas próximas duas ou três semanas — avaliou.

Segundo Elsade, a pasta busca a expansão de cerca de 200 novos leitos de UTI em Porto Alegre e em cidades do Interior nos próximos dias. A expectativa é de que a medida seja avaliada pelo governador Eduardo Leite na tarde desta sexta-feira, após análise dos dados atualizados do Estado.

A velocidade de transmissão, no entanto, preocupa. Em uma semana, o salto na ocupação por pacientes graves é de 19%. Os hospitais Moinhos de Vento, Mãe de Deus, Vila Nova e da Restinga estão com 100% dos leitos preenchidos.

*GauchaZH.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *