Quarta-feira, Dezembro 2

Distanciamento controlado vale a partir de hoje no RS

Eduardo Leite publicou decreto estabelecendo novas regras para enfrentamento da pandemia de coronavírus

Baseado na segmentação por regiões e por setores de atividade econômica do Rio Grande do Sul, o modelo de distanciamento controlado apresentado neste sábado (9) pelo governador Eduardo Leite prevê quatro níveis de restrições, representados por bandeiras nas cores amarela, laranja, vermelha e preta, que irão variar conforme a propagação da doença e a capacidade do sistema de saúde em cada uma das 20 regiões pré-determinadas.

O método tem como objetivo a retomada gradual das atividades econômicas, de forma segura, em meio à pandemia do novo coronavírus.

O plano de distanciamento controlado prevê, entre outras medidas, o uso obrigatório de máscara em todo o Rio Grande do Sul em áreas públicas ou em pontos de aglomeração. Essa mudança chegou a causar confusão de interpretação ao longo do final de semana, pois depois de anunciar a exigência, o governador chegou a escrever nas redes sociais que a obrigatoriedade era apenas para “ambientes fechados coletivos”.

O Decreto 55.240 que estabelece o modelo, foi publicado no domingo (10) e passa a valer oficialmente a partir da 0h desta segunda-feira (11) em todo o território gaúcho. Conheça, a seguir, os detalhes do novo modelo:

O novo modelo

  • O novo modelo de distanciamento adotado no Rio Grande do Sul envolverá duas dimensões: a regional e a setorial.
  • Os dados desses dois segmentos serão cruzados para definir o risco epidemiológico e o nível do distanciamento controlado exigido em cada local e atividade econômica.

O mapa do Estado é dividido em 20 regiões.

Avaliação

  • As regiões serão avaliadas com base em dois critérios, com pesos iguais: propagação da doença e capacidade de atendimento, com 11 indicadores (como número de novos casos, óbitos e leitos de UTI disponíveis).

Bandeiras

  • A partir daí, cada região receberá uma bandeira. Haverá quatro cores possíveis: amarela, laranja, vermelha ou preta, conforme o grau de risco de cada lugar.  O governo optou por excluir a bandeira verde, porque nenhuma região, no momento, está livre do coronavírus.
  • A cor poderá mudar, dependendo da evolução dos indicadores. A intenção é atualizar o resultado ao menos uma vez por semana, a cada sábado.

Significado das cores

  • AMARELA – risco médio/baixo: a região encontra-se com alta capacidade do sistema de saúde e baixa propagação da doença.
  • LARANJA – risco médio: significa que a região está com um dos dois cenários: média capacidade do sistema de saúde e baixa propagação do vírus ou alta capacidade do sistema de saúde e média propagação do vírus.
  • VERMELHA – risco alto: a região encontra-se em um dos dois cenários —  baixa capacidade do sistema de saúde e média propagação do vírus ou média/alta capacidade do sistema de saúde, porém alta propagação do vírus.
  • PRETA – risco altíssimo: região encontra-se com baixa capacidade do sistema de saúde e alta propagação do vírus.

Confira em que região está o seu município e qual seria a bandeira hoje:

Definida a cor de cada região, essa classificação servirá para nortear as regras que serão adotadas para as atividades econômicas locais, divididas em 12 grupos, com diversas atividades identificadas.

Por exemplo, “Serviços” tem 14 tipos diferentes, entre os quais “artes, cultura, esportes e lazer”, que está subdividido em quatro subtipos: “casas noturnas, bares e pubs”; “eventos, teatros, cinemas”; “academias”; e “clubes sociais e esportivos”.

Estado foi dividido em 20 regiões, e cada uma recebeu uma cor que indica a gravidade do avanço do vírus. As bandeiras são amarela, laranja, vermelha e preta. A única região até o momento identificada com a vermelha é a de Lajeado

O uso de máscara, tanto na rua, quanto em ambientes fechados, passa a ser obrigatório em todo o RS

O distanciamento entre pessoas deve ser de no mínimo dois metros (para locais que não usam EPI) ou um metro (com EPI)

É indicado priorizar o teletrabalho

Deve-se garantir o imediato afastamento para isolamento domiciliar de 14 dias aos colaboradores que testarem positivo para covid-19, que tenham tido contato ou residam com caso confirmado ou apresentarem sintomas de síndrome gripal.

Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini/Divulgação

Por Renato Martins / Dep Jornalismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *