Segunda-feira, Novembro 29

Para CNI, tarifa social pode deixar conta de luz 20% mais cara

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) avaliou como importante a Medida Provisória 950/2020, que isenta consumidores de baixa renda do pagamento da conta de luz até o fim de junho, no entanto, critica determinados pontos.

“É o caso da previsão do repasse dos custos da ajuda social totalmente para os consumidores e o auxílio para as distribuidoras. É imprescindível que essa conta seja repartida entre todos os agentes da cadeia produtiva do setor elétrico”, argumentou a entidade, “sob o risco de sobrecarga na conta de luz estimada em 20% nas tarifas para os próximos anos”.

Caso isso ocorra, o aumento da tarifa representará, na avaliação da CNI, “grande empecilho para a retomada das atividades industriais e o consequente reequilíbrio da economia”. Como solução, prega “acordo para que a demanda de energia seja paga sobre o que foi consumido, e não sobre o que foi contratado, abrindo-se a possibilidade de compensações após a crise”.

Atualmente, impostos, taxas e encargos representam cerca de 45% do total da tarifa da conta de luz. “O Brasil tem 82 milhões de consumidores de eletricidade. Portanto, três ou quatro reais acrescidos em cada conta mensal de luz correspondem a um expressivo montante no fim de um ano”, disse Wagner Cardoso, gerente-executivo de Infraestrutura da CNI.

A entidade defende, ainda, que as medidas temporárias não se convertam em encargos e taxas permanentes sobre a conta de luz. (Correio do Povo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *