Domingo, Fevereiro 28

Polícia Civil não descarta nenhuma hipótese sobre o que motivou chacina na zona Norte de Porto Alegre

A Polícia Civil não descarta nenhuma hipótese sobre o que motivou a chacina ocorrida na noite de quinta-feira no bairro Passo das Pedras, em Porto Alegre. Sete pessoas morreram e uma oitava ficou gravemente ferida no interior de uma residência na rua Sotero dos Reis, quase esquina com a avenida Baltazar de Oliveira Garcia. O local servia como ponto de encontro e consumo de usuários de drogas.

“Temos um cenário de execução. Dentro desse contexto: as drogas. O local era uma casa bastante precária e deteriorada que servia para homens e mulheres consumirem drogas. Dentro deste cenário, a investigação vai se desenvolver para tentar buscar o esclarecimento necessário e apurar a autoria. Temos indicativo de que teriam sido dois ou três que desceram de um veículo, entraram na casa onde havia até um maior número de pessoas consumindo drogas. Algumas conseguiram correr segundo relato das vizinhas e as demais foram atingidas e mortas”, declarou o diretor do Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa, delegado Paulo Rogério Grillo.

“Pela gravidade e repercussão procuramos tratar com a máxima prioridade em termos de atenção e recursos destinados à elucidação”, lembrou. “A investigação precisa de um tempo de maturação. Neste cenário tudo é possível. Vamos tentar esclarecer o que aconteceu: se foi uma disputa, se teve uma facção envolvida ou se foi simplesmente uma cobrança de dívida já que ali era um ponto de consumo de drogas. Foi um fato chocante até mesmo pra nós que temos experiência”, afirmou.

Apesar do caso ser investigado pela 5ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa, Grillo assegurou que todo o Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa está mobilizado desde a noite dessa quinta. “Estamos priorizando o atendimento desta ocorrência”, enfatizou.

Foram identificados Adriano Müller Guimarães, 35 anos; Breno Eli Silva de Freitas, 71 anos; Najara Katiane Schumacher Pereira, 30 anos; Douglas Seelig de Fraga, 38 anos, e Jair da Luz de Souza, 49 anos, além de um homem e uma mulher grávida de oito meses, cujas identidades permaneciam desconhecidas até o final da manhã desta sexta-feira.

Conforme o delegado Paulo Rogério Grillo, os autores da chacina atiraram esparsamente e não em rajadas, atingindo as cabeças das vítimas. Houve a constatação do uso de pistolas calibres 9 milímetros por parte dos assassinos. “Temos um contexto de execução com certeza, mas existem ‘n’ possibilidades”, reafirmou.

 

 

 

 

 

*Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *