Sábado, Setembro 26

Prefeitos de 64 municípios pedem trégua aos caminhoneiros

Os prefeitos de 64 municípios, 43 da Associação da Zona da Produção (Amzop) e 21 da Região Celeiro (Amuceleiro), divulgaram notas solicitando que os caminhoneiros deem uma trégua às paralisações e ao bloqueio de passagem de cargas que transportam combustíveis, alimentos e insumos utilizados na alimentação de suínos, aves e bacia leiteira, para que a normalidade dos serviços seja restabelecida o mais breve possível.

“O pedido justifica-se tendo em vista que os impactos das paralisações estão afetando significativamente a economia dos municípios, principalmente na área da saúde e da agricultura, seja no transporte de pacientes quanto no escoamento da produção dos agricultores que, em sua maioria, são produtores de suínos, frango, leite e hortifrutigranjeiros”, cita a nota da Amuceleiro. A associação alerta, ainda, que, caso não seja normalizada a situação, “existe a possibilidade concreta de falência de muitos produtores”.

A nota da Amuceleiro, assinada também pela Associação das Câmaras de Vereadores da Região Celeiro, lembra que a economia da região é baseada essencialmente na agricultura familiar. As duas associações se comprometem em apoiar novamente o movimento dos caminhoneiros caso o governo não cumpra com o que foi anunciado, bem como, são solidários e apoiadores de outras classes que trabalham e se mobilizam em prol de melhores condições da população.

 

Amzop

O mesmo posicionamento tem os 43 prefeitos da Amzop. “A greve está afetando diretamente o resultado econômico da atividade agropecuária, principal economia de nossos municípios, especialmente em relação ao leite, aves e suínos, setores que estão à beira do colapso”, cita a nota. A associação afirma, ainda, que defende o entendimento entre as partes e pela volta da normalidade, o mais breve possível. “Que esta situação não se agrave ainda mais e atinja outros setores, não só econômicos e sociais, mas também de saúde pública, com a perda de animais e produtos”, conclui.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *