Um projeto para a instalação de uma fábrica de artigos esportivos promete amenizar uma das principais carências do município de Planalto, que é a oferta de empregos formais. O Poder Executivo busca, junto ao Badesul, recursos na ordem de R$ 3 milhões, para viabilizar a aquisição de uma área de três hectares, onde será estruturado o Distrito Industrial 2, e instalada a indústria, em regime de comodato.

Conforme explica o prefeito Antonio Carlos Damin, já foram realizadas três visitas à diretoria do Badesul, pois ampliar a oferta de empregos é uma das metas da administração. “Existem boas chances do município se enquadrar nos critérios do financiamento e conseguir o recurso”, destacou. No local, além da indústria esportiva, haverá lotes para instalação de outras empresas.

De acordo com o projeto, que é conjunto entre as secretarias de Administração, Indústria e Comércio e Habitação, a área em questão compreende onde antes funcionava a fábrica da Mezzaroba, no bairro Líder, cujas instalações foram danificadas por um incêndio. A prefeitura está em negociação com a Justiça do Trabalho, já que existem dívidas trabalhistas que não foram pagas pela empresa.

– Mais de 100 famílias ficaram sem seus empregos quando a indústria moveleira foi fechada. Nosso compromisso é abrir vagas de trabalho. Já construímos o primeiro polo industrial, onde, desde 2014, está instalada a Vandal –, observa o gestor.

Como vai funcionar

Após a liberação do recurso, o Executivo precisa encaminhar o projeto de lei para aprovação da Câmara de Vereadores. “Depois de liberada a verba, queremos definir a melhor forma de viabilizar o projeto, juntamente com a sociedade”, garante Damin. A fábrica, que tem a matriz em Saudades (SC), já tem filiais em Ametista do Sul, Novo Hamburgo e Cunha Porã (SC). Inicialmente, para a unidade de Planalto, estão previstos 90 empregos diretos, porém, com a capacidade total em funcionamento, poderá chegar até 200 postos de trabalho formais.

O projeto de reforma da estrutura é assinado pelo engenheiro civil Luiz Henrique Gnoatto. Prevê uma área construída de 4.065,77m2, entre reforma e ampliação, com custo de, aproximadamente, R$ 1,2 milhão. Se tudo ocorrer dentro do esperado, a estimativa é de que a fábrica entre em operação até a segunda quinzena de janeiro de 2019.

Folha do Noroeste