Quinta-feira, Outubro 1

Motorista de Camaro que atropelou e matou passo-fundense em Florianópolis é preso por receptação qualificada

A Polícia Civil de Sapiranga, no Vale do Sinos, prendeu por receptação qualificada, na noite de ontem, 11, Jéferson Rodrigo de Souza Bueno, 30 anos. O empresário gaúcho ficou conhecido após se envolver no atropela mento de três pessoas, que deixou uma delas morta e duas gravemente feridas, na Praia dos Ingleses, no norte de Florianópolis (SC).
Conforme a nova investigação, Bueno recebeu na empresa dele, em Araricá, uma carga de produtos metalúrgicos roubada. Os policiais dizem que ele também está envolvido no planejamento do roubo da carga, que ocorreu no final de 2017.
Duas pessoas, que não tiveram nomes revelados, ainda são procuradas pela polícia local por terem participado da ação.
Em janeiro deste ano, Bueno já havia sido preso pela Polícia Civil por furto de energia elétrica na empresa dele. Ele foi detido após agentes do Departamento de Investigações Criminais (Deic) acompanharem funcionários da concessionária RGE na fiscalização. Os servidores da companhia elétrica afirmavam ter dificuldades em fiscalizar a empresa, pois sempre eram ameaçados.
Relembre o caso do atropelamento em SC
Na madrugada do dia 1º de Janeiro, por volta das 3 horas da madrugada, um veículo Chevrolet Camaro preto com placas de Sapiranga (RS), invadiu a calçada em frente à loja RMS Auto Som, na rodovia Armando Cali Bulos e atropelou o casal passo-fundense Cristiane Flores Gonçalves 31 anos, que não resistiu aos ferimentos e veio a óbito, e seu marido Nilandre Lodi, que teve as duas pernas amputadas. Além deles, Gean Matos, 22 anos, amigo do casal, teve traumatismo craniano e lesão em um dos pulmões. O motorista fugiu do local sem prestar socorro e teria deixado a capital Catarinense poucas horas após o acidente.
Denunciado à Justiça por homicídio doloso triplamente qualificado, responde o processo em liberdade.
Ele se apresentou em abril, após o mandado de prisão ser suspenso pela Justiça catarinense. Ele pagou fiança de R$ 70.275, e a Justiça impôs a ele outras restrições: comparecimento mensal no juízo em que reside para informar e justificar suas atividades, proibição de se ausentar da Comarca em que reside por prazo superior a oito dias sem anuência do juiz, suspensão do direito da permissão ou da habilitação para dirigir veículo automotor pelo prazo de dois anos e comparecimento ao Cartório da Capital para citação pessoal, ciência das condições impostas e entrega de sua CNH.
*Rádio Uirapuru/*GaúchaZH

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *