Terça-feira, Setembro 22

Comerciante que atirou e matou assaltantes em Pelotas é solto por decisão da justiça

O comerciante que atirou e matou dois homens que assaltaram a sua distribuidora de bebidas foi solto nesta quarta-feira, 18, por decisão da 1ª Vara Criminal de Pelotas, no Sul do estado. A defesa de Rogério Grimm, de 45 anos, alega legítima defesa. A decisão foi do juiz Adriano Vanzin. Para ele, o comerciante não apresenta perigo à sociedade. O caso ocorreu na terça-feira, 17.

De acordo com a ocorrência policial, os dois homens chegaram a fugir com dinheiro, roubado da distribuidora. Logo em seguida, o dono da loja saiu atrás deles. Houve troca de tiros e os dois suspeitos foram baleados.

Eles conseguiram escapar, de moto. Após caírem, a Brigada Militar foi chamada e logo acionou o Samu. Enquanto os suspeitos estavam sendo atendidos dentro da unidade móvel, o comerciante se aproximou e atirou nos dois. Os suspeitos morreram na hora. E um policial acabou baleando Grimm na perna, na tentativa de contê-lo.

Grimm foi preso em flagrante na terça, 17, e encaminhado à Santa Casa de Pelotas. Ele permanece no hospital e passará por cirurgia de retirada da bala. Ele ficou preso sob custódia, no próprio hospital. O advogado de Grimm, Roger Antônio Cavichioli, alega legítima defesa, e informa que o cliente já tinha sido assaltado cinco vezes em um ano pela mesma dupla, mediante ameaças.

“Dessa vez, eles bateram muito nele, bateram no rosto dele, dando tapa, querendo mais dinheiro e ameaçando a família”, diz o advogado. Segundo ele, os criminosos diziam que, se Grimm não entregasse R$ 3 mil para eles, iriam atrás da família do comerciante. “Quando ele viu a ambulância, estava no desespero, não aguentava mais esse estresse de um ano de ameaças, de violência”, conta o advogado.

O comerciante ainda não foi ouvido pela delegacia de homicídios. Segundo a Polícia Civil, ele pode ser indiciado por homicídio qualificado, por não ter dado chance de defesa para os dois assaltantes, que já se encontravam detidos, sob custódia, e feridos dentro da ambulância.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *