Domingo, Setembro 27

37º Batalhão de Policia Militar recebe armamento

Na tarde de hoje,24,  na sede do 37º Batalhão da Policia Militar, em Frederico Westphalen, ocorreu a divulgação dos equipamentos oriundos de valores arrecadados com a colaboração da comunidade da região em que o Batalhão atende.

Foram recebidos 3 fuzis modelo 556″ e 1 fuzil 762″, além de 84 coletes à prova de balas. Os equipamentos vieram para auxiliar no combate, principalmente em casos de assaltos que coloquem em risco a vida de cidadãos da comunidade e dos policiais que estiverem a serviço da ação.

As armas, de alto valor comercial, são facilmente adquiridas por meliantes, principalmente por serem comercializadas também no Paraguai, o que facilita o acesso dos bandidos e quadrilhas à esse armamento, segundo explicação do Cap. Douglas. “Se a gente tem segurança a gente já tem um começo para o resto. É pra isso que trabalhamos juntos”, completou.

O Major Alexandre, salientou como a falta de armamento desse tipo chama a atenção dos bandidos, porque “muitas quadrilhas especializadas estavam migrando para cá, por saber que aqui a Brigada Militar é mais fraca em equipamentos. Por isso fomos buscá-los para ficar mais igual nos enfrentamentos”.

O Major também explicou que para a Brigada Militar, o acesso à esse tipo de arma demora mais por conta dos tramites, onde é feito o pagamento, o exército fica encarregado dos tramites, e somente depois a empresa tem autorização para remeter os equipamentos, cujo modelos são distribuídos somente em lote mínimo de 5. “A vinda desses equipamentos, nos da maior tranquilidade ao agir. O policial que usará essa arma, terá um treinamento específico para isso. Ele vai ter que lembrar que atrás desse marginal pode ter um espaço com alguém que não deve ser atingido, por isso muitas vezes não poderemos agir, pra não colocar em risco a vida de inocentes”, completou.

“Fuzil só se combate com fuzil. Incidentes em que meliantes cometem delito com um fuzil 762 não tem como haver combate com uma arma de curta distância, a guarnição não consegue alcançar. Um tiro de fuzil, mesmo que a 60m de distância pode matar, e não há colete que ‘segure’ um tiro de 762. É um combate desleal” – destacou o Major. “Nós tínhamos a equipe com vontade de trabalhar, mas não fazíamos mais por não ter determinados equipamentos”, completou.

As armas são projetadas com coronha rebatível, o que faz com que, mesmo de dentro da viatura, se preciso for, a guarnição poderá dar o primeiro combate. Inclusive, há a possibilidade de que venham 3 novas viaturas, mas isso dependerá da Consulta Popular.

Os colaboradores, além dos agradecimentos dos membros do Batalhão, também receberam certificado pelo ato em prol da segurança pública.

Ao final, o Major destacou que a Brigada Militar, que já atua há mais de 180 anos, “presa pela segurança da comunidade, mesmo que, como fizemos no juramento de formação, custe nossa própria vida”.

Marina Bonez,  Gilvan Vargas/Jornalismo Radio Seberi

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *