Falta de fraldas na rede pública afeta 1,2 mil pessoas em Santa Maria

A escassez de repasses do governo do Rio Grande do Sul para a Prefeitura de Santa Maria, para a compra de fraldas adultas, afeta 1,2 mil pessoas no município da Região Central do Rio Grande do Sul. Entre elas estão 111 moradoras do Lar das Vovozinhas, um dos maiores do estado, onde vivem 171 idosas.

Apenas na instituição, são consumidas 700 fraldas por dia. A direção não encontra mais o produto no Centro de Diagnóstico de Saúde, onde a distribuição era de graça todo mês, conforme lei.

O governo do estado deveria repassar o valor para as prefeituras comprarem as fraldas, o que não acontece com regularidade desde o início do ano.

“Nosso problema é financeiro, porque a gente já tem uma despesa que não estamos conseguindo 100%, e agora mais a despesa com as fraldas, então nosso déficit vai ser maior”, conta o presidente da instituição, Saul Fin. Doações da comunidade são a solução momentânea.

O problema não se resume ao Lar das Vovozinhas. A dona de casa Suelen Cabral, que precisa das fraldas para o filho, que é autista, reclama da situação. “Eu passo ligando, todos os meses eu ligo, ‘sobre as fraldas, tem resposta?’ ‘Sem previsão, estamos sem verbas’, é só o que eles sabem dizer”, conta.

Em maio, o governo gaúcho repassou R$ 5,2 mil para Santa Maria, suficiente para entregar fraldas para apenas 50 pessoas. O estado disse que está retomando a regularidade dos repasses mensais às prefeituras, e que a partir de junho vai repassar R$ 216 milhões em 16 parcelas para os programas municipais, que incluem a distribuição de fraldas.

Fonte: Maurício Rebellato/RBS TV Santa Maria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *