Na tarde desta quinta-feira, 06, foram instaladas as primeiras Composteiras do projeto do Cigres, em Seberi. No município, as primeiras cinco composteiras serão instaladas no Bairro Boca da Picada, e deverão melhorar o trabalho do Cigres e ainda colaborar na adubação de canteiros e hortas das residências.

Com as composteiras, todo o lixo orgânico, que ia para o Cigres junto com os materiais secos, será destinado para as “bombonas”. Entre os itens orgânicos que deverão ir para fazer a compostagem estão: sobras de alimentos, cascas de frutas e legumes, Erva-Mate, cascas de ovos, café, palitos, saquinhos de chá e guardanapos.

A iniciativa faz parte do “Projeto de Aperfeiçoamento das práticas para o correto destino dos resíduos sólidos domésticos, produzidos pelos municípios consorciados ao Cigres”, e para dar início a implementação dessas cinco composteiras inicialmente, técnicos do Cigres estiveram na casa de Márcia Terezinha Machado, onde foi instalada a primeira composteira. No processo, membros da Emater, Vigilância Sanitária e demais interessados, puderam acompanhar a instalação para, posteriormente, aderirem a esse mesmo sistema de destinação de resíduos orgânicos.

Esse tipo de separação de resíduos é muito importante para o ambiente, moradores da cidade e para os próprios funcionários do Cigres, que, com essa destinação correta deste tipo de resíduo, terão um trabalho ainda mais produtivo. “É um método simples. Trata-se de uma bombona de plástico,  que serve para captar todo o material orgânico que sai da residência, evitando assim que esse material vá para o Consórcio. Para nós esse material não é interessante, então ali na casa isso se torna útil, porque pode ser usado nas hortas e jardins da residência”, destaca Antonio Mauro Cadorin, coordenador geral do Cigres.

A iniciativa veio por conta da grande quantidade de lixo orgânico que o Cigres vem recebendo nos últimos anos, o que ocasiona problemas, não só para Seberi, mas para a região. “Com esse projeto poderemos usar esses resíduos na nossa casa como adubo, diminuindo assim diversos problemas. Com isso, teremos uma diminuição de aterros sanitários, o que trará menos problemas para o Cigres com a Fepam. Não mandando o lixo orgânico para o Cigres já é um grande passo para mantermos essa célula, que é esse aterro sanitário”, mencionou o prefeito de Seberi, Cleiton Bonadiman.

O prefeito ainda mencionou que, para enviar o lixo urbano para o Cigres, a Administração desembolsa cerca de R$ 20 mil reais por mês, o que reforça a importância da conscientização, porque “todo lixo reciclável é reaproveitado, diminuindo assim os valores para os municípios”.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

Marina Bonez/Depto. Jornalismo Rádio Seberi

Fotos: Cristina Romitti/Rádio Seberi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *